fbpx

Notícias

Cirurgia de dentes inclusos

Todo dente antes de nascer (erupcionar) está incluso. Siso incluso é a denominação que recebe o terceiro molar incluso. O problema é quando o dente permanece incluso, e isto pode ocorrer por diversos motivos como por exemplo: obstáculos mecânicos, patologias, má posição do dente, falta de espaço na arcada, e doenças sistêmicas.

Os sisos são os dentes mais comuns de permanecerem inclusos. Isto porque eles são os últimos dentes a nascer, e muitas vezes não há mais espaço para eles. No entanto, qualquer dente pode ter sua erupção (“nascimento”) afetada, sendo que o canino superior ocupa o segundo lugar no ranking dos dentes mais afetados por este problema, perdendo apenas para os terceiros molares. Alguns dentes inclusos que possam ser úteis na boca, podem ser tracionados por um ortodontista para sua posição correta. Para isso, o dente precisa ser exposto para que nele se adapte uma peça própria para tracionamento.

Outra situação que pode ocorrer é o organismo fabricar dentes extras, os quais são chamados de supranumerários ou extra-numerários. Esses dentes muitas vezes não terão espaço para erupcionar sendo necessária a sua remoção. Mesmo no caso desses dentes possuírem espaço para erupção, é comum que eles sejam removidos para que não prejudiquem outros dentes.

O melhor momento para a extração de sisos inclusos é por volta dos 17 anos. Nesta idade o dente ainda não completou toda a formação de sua raiz, o paciente é capaz de cooperar com o dentista, o osso que envolve o dente é mais elástico do que em adultos, e a recuperação é melhor do que em pacientes mais velhos.

O procedimento cirúrgico para a remoção de um dente incluso consiste na localização do dente, remoção dos obstáculos que impeçam sua saída, e remoção do dente. Muitas vezes é preciso cortar o dente para que ele possa sair sem prejudicar muito as estruturas vizinhas.

O pós-operatório da cirurgia é em geral tranquilo desde que o paciente siga as orientações do dentista. Para maiores detalhes do pós-operatório veja a secção de Instruções pós-operatórias.

Os problemas que os dentes inclusos podem causar se não forem removidos são muitos:

  • Destruição dos dentes vizinhos
  • Formação de cistos ou tumores
  • Cárie
  • Doença periodontal
  • Infecções severas
  • Apinhamento dos dentes
  • Dor
  • Interferência na adaptação de próteses

Em alguns casos a cirurgia não está indicada:

  • Pacientes mais velhos. Geralmente pacientes com mais de 35 anos nos quais o dente incluso não causa nenhum desconforto e não há sinais ou sintomas de patologia.
  • Pacientes debilitados que não suportem o procedimento cirúrgico.
    Quando os riscos da cirurgia superam seus benefícios.

A extração de dentes inclusos é diferente da extração de dentes que erupcionaram normalmente. Algumas considerações devem ser entendidas:

  • A cicatrização varia de paciente para paciente.
  • Edema (inchaço) é muito comum após a cirurgia.
  • Hematomas podem ocorrer na região operada.
  • Alguma rigidez nos músculos da mastigação é esperada nos primeiros dias.
  • Outros dentes podem ficar temporariamente sensíveis.
  • Pode haver pequena dor de ouvido.
  • Pode haver dor de garganta.
  • Os cantos da boca podem ficar ressecados e feridos.
  • Ficará um espaço de onde o dente foi removido, o qual é progressivamente obliterado.
  • Dormência e formigamento podem ocorrer nos lábios, língua, queixo, bochechas, gengiva, e/ou dentes. Isto pode persistir por dias, semanas, meses, e em raras circunstâncias pode ser permanente.
  • Se optar pelo uso de técnicas de sedação o paciente só poderá deixar o consultório acompanhado por um adulto responsável.
  • Antibióticos podem interferir com medicamentos anti-concepcionais.